Arquivo da tag: espumante

Borbulhas de Amor

Quando a gente pensa em espumante, pensa em Festas de Fim de Ano, Comemorações e Brunchs, fala a verdade? Cada vez mais consumimos espumantes para começar uma refeição especial ou para refrescar uma tarde de verão. Esse tipo de vinho tem uma boa acidez e uma capacidade de limpar o paladar, principalmente quando a comida é gordurosa.

Para produzir qualquer espumante, é necessário elaborar um vinho base tranquilo (sem gás carbônico). Esse líquido é então submetido a uma segunda fermentação, que pode acontecer na própria garrafa ou em tanque de aço inox.

Conheça um pouco mais sobre cada tipo e escolha o seu preferido:

Champagne

Os champagnes são produzidos obrigatoriamente na região homônima na França, com as uvas: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier. O método de elaboração é o Tradicional ou Champenoise, em que a segunda fermentação acontece dentro da garrafa.

Harmonização:
Combina com pratos com manteiga, creme de leite e lácteos em geral, além de peixes defumados e sabores trufados.

Fettuccine ao Molho Branco com Azeite Trufado/ Imagem Half Baked Harvest


Prosecco

Exemplares do Nordeste da Itália, que devem ter 85% no mínimo de uva Glera (antigamente conhecida como Prosecco). Eles são elaborados através do Método Charmat, no qual a segunda fermentação é feita em tanques de aço inox.

Harmonização:
Frutado e refescante, pede pratos vivazes e leves como ceviches. Combina com frios como salame.

Ceviche de Polvo/ Imagem Web

Cava

Os Cavas são produzidos na Espanha também pelo Método Tradicional ou Champenoise. Apesar de sua elaboração não estar restrita a uma única região, as uvas utilizadas devem ser originárias de vinhedos autorizados, tais como as brancas Macabeo, Xarel.lo, Parellada, Malvasía, Chardonnay, e tintas Garnacha, Monastrell, Pinot Noir e Trepat.

Harmonização:
Os mais leves vão bem com queijos frescos e saladas crocantes.

Torradas com Queijo de Cabra e Ervas / Imagem Web

Outros espumantes e outras Regiões

Além das origens mais conhecidas, existem espumantes feitos em regiões menos tradicionais que valem ser provadas. É o caso dos portugueses, de grande potencial aromático, e dos argentinos, que podem ser frutrados e cheios de sabor. Já a Austrália cada vez mais aproveita o clima frio de algumas regiões em altitude para plantar vinhedos para a produção de espumantes de alta qualidade, geralmente produzidos com método tradicional.

 

E aí? Qual o seu preferido conta pra gente!

 

Confira outras opções de Espumantes em nossa Loja Virtual

 

 

Acredite se quiser: som das borbulhas revela qualidade do espumante

Você sabia que o som das borbulhas do espumante pode revelar a qualidade da bebida? É o que garante um estudo realizado pela Universidade do Texas e publicado no Science Daily.  Segundo os pesquisadores, o número e o tamanho das bolhas são indicadores de qualidade: enquanto as pequenas e abundantes são um bom sinal, as grandes e menos frequentes mostram que o espumante não é tão bom quanto se imaginava.

A equipe mediu a acústica das bebidas usando um hidrófono, instrumento usado para gravar sons debaixo d’água. “As bolhas são muito ressonantes. Elas soam como sinos e a frequência desse som depende, em parte, do tamanho das bolhas”, explica Kyle S. Spratt, um dos autores do estudo.

Eles também descobriram que a taça impacta nos resultados. “A taça também é um objeto ressonante, então nosso desafio foi garantir que as características do vidro não prejudicariam as medições”, revela Spratt.

A equipe está satisfeita com as descobertas.  Spratt acredita que podem ser úteis em testes de garantia de qualidade de espumantes e outras bebidas carbonatadas. Também há a possibilidade de que a medição do som possa sinalizar falhas ou problemas que não são detectáveis apenas pelo gosto.

Veja muitas outras notícias e curiosidades sobre espumante aqui!

Marca produz espumantes para grávidas

Uma marca de vinhos criada especialmente para grávidas? Ela existe e se chama 9Months!

O nome, “9 meses”, em português, faz referência ao tempo gestacional das mulheres. Sua criadora, a consultora de vinhos Carrie Marvin, afirma que a marca foi pensada em si mesma e em todas as mulheres grávidas impossibilitadas de beber durante a gestação.

Método de produção

A 9Months produz espumantes não alcoólicos a partir de uvas viníferas australianas. O suco das uvas recém-colhidas é coletado e refrigerado a 0°C para evitar a fermentação. Em seguida, é filtrado e pasteurizado dentro da garrafa. Interessante, não?

Leia muitas outras notícias e curiosidades aqui!

Vinho e Chocolate: a combinação perfeita pra Páscoa

Você já imaginou conseguir juntas essas duas delícias e ter uma agradável surpresa? 

O chocolate é considerado o alimento mais difícil para se harmonizar com vinho, porque ele é forte, gorduroso e doce – três características que dificultam a combinação. 

Alguns especialistas dizem que os chocolates e doces só combinam com vinhos doces, ou seja, os de sobremesa. Mas, há controvérsia: e a mistura de chocolates e tintos pode ser surpreendente. 

O “segredo”, é optar por chocolates menos doces, com pelo menos 50% de cacau. 

choco2

Mas, qualquer chocolate pode sim, te trazer uma grata surpresa! Escolha seu chocolate preferido e confira nossas dicas: 

  • Chocolate branco: O mais doce dos chocolates pode ser degustado com vinho branco ou tinto. Excelente para harmonização com espumante moscatel, por serem mais gordurosos, as borbulhas e acidez do espumante ajudam a “limpar o paladar”. 
  • Chocolate ao leite: No chocolate ao leite o cacau começa a aparecer e a pedir “algo mais”. Tente com espumante brut ou seu Merlot preferido, e claro, o Moscatel entra aqui mais uma vez como sugestão. 
  • Chocolate meio amargo: Quanto maior o teor de cacau, mais fácil fica de harmonizar com vinho. Chocolates com 50% de cacau são de fácil combinação e podem ser acompanhados com diversos tipos de tintos, sejam eles jovens ou encorpados. Boas dicas são o Cabernet Sauvignon, Shiraz e Merlot. Eleja seu preferido e aproveite!
  • Chocolate amargo: Para os chocolates com mais de 70% de cacau, experimente tintos secos sem passagem por madeira, como um Merlot jovem. Mais cacau que isso? Vale escolher vinhos com mais “presença”,  como Cabernet e Malbec. 

Miolo é Gran Ouro na edição brasileira do Concurso Mundial de Bruxelas

Referência internacional na elaboração de vinhos e espumantes, a Miolo comemora o resultado de uma das mais relevantes premiações do segmento: com o espumante Miolo Millésime Brut, a vinícola conquistou uma Medalha Gran Ouro na 15ª edição brasileira do Concurso Mundial de Bruxelas.

O premiado Miolo Millésime Brut – que já foi eleito o melhor espumante do Hemisfério Sul – é certificado com o selo de Denominação de Origem Vale dos Vinhedos e elaborado somente em safras excepcionais com as uvas Chardonnay e Pinot Noir.

“Premiações como o Concurso Mundial de Bruxelas, que é reconhecido em todo o mundo, reforçam a altíssima qualidade dos rótulos que levam a assinatura Miolo. Além de ser uma conquista que comemoramos com muita alegria, é um selo importante para o consumidor”, celebra Adriano Miolo, superintendente do grupo.

A degustação às cegas do concurso reuniu centenas de rótulos nacionais, que foram avaliados pelo júri composto por importantes especialistas do mundo dos vinhos, como o diretor da Vino Magazine, o belga Baudouin Havaux; a premiada Sommelière e bartender Deise Novakoski; o jornalista especializado em agronegócios e vinhos Irineu Guarnier; e o editor do blog Divino Guia, Álvaro Cézar Galvão.

Garanta seu exemplar no Empório Mercantil

Santo de casa faz milagre! 4 motivos pra beber vinho brasileiro

Por que damos tanto valor aos vinhos argentinos, franceses e italianos? Porque são deliciosos, claro! Mas, se engana quem pensa que no Brasil não temos excelentes rótulos, que disputam de perto o pódio dos melhores vinhos.

Listamos 4 motivos que podem te levar a apreciar cada vez mais, os vinhos brazucas. Vale a pena!

  1. Espumantes brasileiros estão entre os melhores do mundo!

Temos ótimos vinhos e com uma grande diversidade, mas os espumantes do Brasil merecem destaque especial (lembrando que espumante é um tipo de vinho). Já faz algum tempo que as nossas “borbulhas” vêm fazendo sucesso no Brasil e no exterior.

Uma das maiores especialistas de vinhos do mundo –  Jancis Robinson – já mencionou o quanto gostou e chamou sua atenção um espumante feito em Pinto Bandeira, interior do RS.

Além dela, diversos consumidores e especialistas vêm destacando nossos espumantes. Aqui mais uma vez, diversidade e preços dos produtos locais são imbatíveis. O espumante brasileiro é reconhecido internacionalmente!

2. Preço

Com certeza, um dos grandes diferenciais dos vinhos  nacionais. Se comparado com bons vinhos vindos do exterior, um produto de qualidade similar feito no Brasil vai ter um preço – na grande maioria das vezes – mais acessível.

Ponto importante a considerar aqui é que os vinhos vendidos no Brasil, tanto importados como nacionais, poderiam ter preços bem mais baixos, se não fossem as pesadas cargas tributárias.

vinhobrasil

3. Diversidade

Outra grande vantagem, além da qualidade e do preço, é que possuímos ótimos produtos de diversos tipos, seja tinto, branco, espumante  e até rosé. Sim, até rosé!

Vale a pena – se você é fã desse tipo de vinho – experimentar alguns rosés nacionais. Você irá se surpreender! Vinho brasileiro tem muita diversidade!

4. Vinhos Premiados

Nem todo mundo se importa com produtos premiados. Mas, num evento onde nossos vinhos disputam com vinhos do mundo todo, ele se destacou!

Recentemente uma Chardonnay produzida em Bento Gonçalves conquistou medalha de ouro em um concurso realizado na região de Borgonha, na França, concorrendo com vinhos da mesma uva. Se você não sabe, a Borgonha é reconhecida como o local onde se produzem os melhores vinhos com a Chardonnay no mundo. E o Brasil estava lá ficando entre os melhores do concurso.


Qualidade, diversidade, bom preço e a certeza que nossos vinhos são especiais. Agora você tem motivos de sobra pra escolher rótulos brazucas na próxima compra! Você não irá se arrepender!

Confira aqui, alguns dos nossos vinhos – nacionais e importados.

Drink com prosecco e amoras

A ideia desse drink é ser especial e inesquecível! Uma receita que agrada com facilidade o paladar e é ótima para servir em pequenas reuniões – ou para curtir em casa no fim de semana.

Mais uma prova de que vinho e verão, combinam deliciosamente!

drink1

INGREDIENTES

Para o xarope de amora:

  • 1/3 xícara de amoras, mais algumas mais para enfeitar
  • 1/3 xícara de água
  • 1/3 xícara de açúcar

Para o drink:

  • 1 garrafa de prosecco (ou seu vinho branco preferido)

Para decorar (opcional, claro!):

  • 4 raminhos de tomilho

MODO DE PREPARO

1. Em uma panela pequena, leve as amoras, a água e o açúcar para ferver. Vire para baixo e deixe ferver por 10 minutos. Coe as amoras e deixe o xarope esfriar. Depois, leve para refrigerar.
2. Adicione 2 colheres de sopa do xarope no fundo de cada copo. Cubra com prosecco e adicione em um raminho de tomilho e amoras!

drink2

Simples de fazer e muito bonito! Sirva – e beba! – geladinho!

Pra esse verão: mimosas!

A Mimosa é um clássico cocktail da década de 20, um período revolucionário para o cenário político, econômico, e principalmente cultural. Foram anos de Guerra, de balanços econômicos, e reviravoltas globais, mas principalmente foram anos em que pequenas reuniões sociais e os famosos “brunchs” tiveram sua alta.

E foram nesse brunchs que a mimosa ganhou sua vez e virou um clássico!

Que tal experimentar nesse fim de semana, ein? É o drink perfeito pr’aquele dia que a gente acorda sem pressa, chama uns amigos e se reúne pra fazer um almoço “fora de hora”.

Por ser um drink de fácil composição mas com ingredientes caros, inicialmente era consumido principalmente pelas classes mais nobres e pela burguesia, a qual ostentava o drink em pequenos encontros sociais ou eventos da época.

mimosapost

 

Para fazer uma verdadeira Mimosa, basta um pouco de dedicação e um preparo atencioso.

Vamos lá!

Faça uma jarra de suco de laranja bem coado – clássico do nosso café da manhã. “Pode ser usado suco de laranja pronto?” Pode sim, mas o sabor, claro, não é o mesmo.

Apesar da receita original ser com champagne, você pode substituir com espumante brut bem gelado, ou até um vinho branco que você goste muito – por que não?

Sirva em taças de champagne – importante que elas estejam geladinhas – metade do suco, metade do espumante (complete suavemente, pra que a bebida não perca a borbulha! – e voilà!

Um drink delicioso e MUITO refrescante! Perfeito pro nosso verão brasileiro, né?

Experimenta e depois conta o que achou!

Para o Revéillon: champagne ou espumante! Como escolher?

Se você é fã de Revéillon, muito provavelmente você também é admirador de um bom espumante. Certo?

Afinal, como não ser… o espumante é atraente visualmente. Pouca coisa pode ser tão elegante quanto segurar uma taça na mão. A cor dourada, as perlages (ou bolhinhas) na taça, o modelo da taça. Tudo dá um ar de festividade, elegância e bom gosto.


Todo champagne é um espumante, mas nem todo espumante é champagne! E inclusive, se você quiser saber mais detalhes sobre isso, confira nosso post:

Champagne ou espumante?


E falando em elegância, você sabe de onde veio o champagne? Dos nobres franceses, claro. Por seu armazenamento e transporte em barris, a bebida mudou e as bolhas se tornaram ainda mais marcantes.

Luiz XV definiu o champagne como o primeiro vinho que poderia ser vendido em garrafas e não barris. Dom Pérignon melhorou o processo conseguindo lacrar as garrafas com rolhas e arame, o que fazia com que os espumantes aguentassem mais tempo, aumentando ainda mais o consumo.

Até hoje, uma garrafa de Dom Pérignon  impressiona na mesa!

dom

E os tipos de espumante? 

Moscatel: O querido de todos, por ser de fácil consumo e extremamente doce. A uva se adaptou bem ao Brasil e ótimos espumantes dessa variedade podem ser encontrados por preços ótimos e qualidade excelente.

Sugestão: Torres Floralis Moscatel Oro

Demi-sec: Equivalente ao meio doce, você pode tentar experimentá-lo caso você queira uma bebida um pouco mais robusta e menos enjoativa que o moscatel, mas ainda de fácil degustação.

Sugestão: Espumante Cava Codorniu

Brut: Mais excêntrico e com mais personalidade que os outros dois tipos de espumante, ele seria o equivalente ao vinho “seco”. Sempre uma boa pedida aos amantes de vinho!

Sugestão: Veuve Clicquot Ponsardin Brut

Como servir/beber o espumante?

  • O espumante deve ser servido de 5 a 10 graus. Gele as garrafas com no mínimo 1 hora de antecedência.
  • Você não precisa estourar o espumante, esta é uma tradição extremamente comemorativa e nada tem a ver como o modo “correto” de tomar um espumante. Faça isso com algo mais barato porque você vai perder bastante líquido em forma de espuma.
  • Sirva até metade da taça, não encha.
  • O melhor: espumantes são amigos dos petiscos! Casa com tudo, de batatinhas à queijo com frutas.

Escolha seu espumante favorito – Champagne, ou não – e aproveite a festa!

Aliás, aqui vai uma dica de ouro: o importante no réveillon é curtir a festa do jeito que você gosta. Não curte espumante? Faça o tin-tin com seu amigos e familiares e passe logo pra sua bebida favorita!

 

 

O Inconfundível Moscatel

Doce e aromática, a uva moscatel não é apenas uma variedade de uva, e sim uma grande família que – apesar de possuírem formas, cores e tamanhos diversos – tem uma forte característica em comum: o aroma intenso e inconfundível.

Um vinho que lembra uva até parece óbvio, mas não é!

Uma peculiaridade da Moscatel é produzir vinhos que, curiosamente, trazem aromas de uvas. O único aroma de fruta que raramente se encontra em um vinho é justamente o de uva.

No Brasil, é comum encontrar o espumante moscatel como opção para sobremesas e aperitivos! E sim, é uma ótima pedida! Melhor do que isso, é um vinho que vai praticamente com tudo.

Leve, aromático e fácil de agradar qualquer paladar, o moscatel deve ser servido bem fresco, entre 4ºC e 6ºC, o que faz dele uma excelente companhia para o verão. É bom sair da tradicional cerveja gelada às vezes, não é?

Aliás, a produção brasileira se destaca: as condições climáticas e o solo da Serra Gaúcha favorecem a produção da acidez das uvas, a qual é essencial para balancear a doçura do espumante. Os enólogos brasileiros já se tornaram especialistas na elaboração dessa bebida tão agradável!

Que tal arriscar um moscatel para sua próxima reunião com os amigos ou com a família? Aproveite as férias, o verão brasileiro, as festas dessa época do ano… seu paladar agradece!