Queijos Azuis

Se você acha que queijo azul é tudo igual está completamente enganado. Podem parecer parecidos pela aparência mas seus sabores, receitas e origens não.

O queijo Roquefort conhecido como “blue cheese” tem origem da pequena cidade francesa Roquefort-sur-Soulzon e possui um mofo natural chamado “Penicilium roqueforti”. O Roquefort é produzido com leite cru de ovelha e tem uma textura bem cremosa. A massa do queijo depois de pronta passa por um processo que se chama “piquage”, garantindo as condições para o crescimento dos fungos. Depois de todas as etapas de produção do queijo concluídas, a maturação final deve ser de no mínimo cinco meses nas cavernas do monte Combalou ao sul da França.

Queijo Roquefort/ Imagem Web

Já o queijo Gorgonzola, primo italiano do francês Roquefort, é produzido com o leite cru da vaca. Também bem cremoso, tem um sabor diferenciado do Roquefort por não ser feito com leite de ovelha. Durante seu processo de produção, o queijo Gorgonzola é salgado para perder o excesso de soro, e levado para um ambiente chamado “purgatótio” onde irá desidratar. Em seguida, ele é furado para que os fungos cresçam em seu interior, e levado para maturar em um ambiente úmido e com temperatura controlada. Depois de no mínimo 90 dias, momento onde desenvolve características únicas e potencializa os sabores, o queijo gorgonzola estará pronto para consumo.

Queijo Gorgonzola/Imagem Web


Curiosidades de cada queijo:
Roquefort:: As cavernas do monte Combalou ao sul da França é considerado um ambiente fundamental e indispensável pela umidade e pela circulação de ar, consideradas ideais para a maturação do queijo.
Gorgonzola:: Há quase dois séculos sem ser produzido em sua cidade de origem , Gorgonzola Província de Milão na Itália, é atualmente o terceiro queijo mais consumido da Itália, atrás apenas dos emblemáticos parmegiano reggiano e do grana padano. 

Harmonização de Sucesso

Imagem Ilustrativa de Harmonização/Web

Em geral, quando falamos de harmonização com queijos, os ideais são os vinhos brancos, pois a acidez natural dos queijos costuma bater de frente com os taninos, criando sensações muito adstringentes. Os brancos leves e com boa acidez vão combinar com a maioria dos queijos. Para os queijos azuis, sugerimos a harmonização por contraste, ou seja, equilibrar o sabor salgado e intenso do queijo com a doçura do vinho. Sugestões: Vinho do Porto, Vinhos de Sobremesa, Riesling e Gewürztraminer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.