Barista lança bebida gelada de café

Novidade refrescante feita com grãos orgânicos terá versões com limão, clássico ou concentrado para preparo em casa.

Depois de uma viagem a Boston (EUA), o Barista Ton Rodrigues percebeu que café gelado, extraído a frio, embalado em garrafinhas de vidro era algo bem comum, pelo menos em cafeterias de cafés especiais, como as que se espalham pelo Brasil e agradam cada vez mais o público cansado do café de baixa qualidade, cheio de impurezas. Eis que ele acaba de lançar no mercado o Cold Brew True Coffee, uma bebida de café gelado em garrafinha com grãos 100% arábica e bem refrescante.

A ideia do Barista inquieto e atento às novidades, que também já foi conhecido pela fabricação de tamper (instrumento que o Barista utiliza para compactar o café antes de extrair o espresso), foi a de lançar um produto que os brasileiros ainda não estão acostumados a consumir.

“Testei a bebida por seis meses, fazendo adaptações para levar um produto de alta qualidade ao consumidor. Fui além da escolha do café, da embalagem e até mesmo o rótulo das garrafinhas. É algo artesanal e feito com a paixão que tenho pelo café”, conta Ton.

Foram diversos testes até chegar ao resultado do Cold Brew True Coffee Brasil. O café é orgânico, assim como as frutas que Ton utilizou para aromatizar naturalmente a versão da bebida com limão. O processo de extração é lento, feito a frio: o café é moído e fica em infusão por 18 horas em água fria e com temperatura controlada a 17 graus. O resultado é uma bebida com 67% a menos de acidez e 33,3% menos cafeína, suave e rica em aromas e sabores. “Além de garantir algo novo na rotina dos consumidores, me preocupei com a qualidade, com um café de verdade, como diz a marca. Tenho certeza que até quem não gosta de apreciar um café quente, vai descobrir um novo sabor”, aposta o Barista.

O Cold Brew True Coffee promete agradar também pela doçura e apresenta baixa acidez. Os consumidores cafeinados poderão conferir três versões: limão, o clássico, e outra novidade, o concentrado. “Com ele será possível preparar o café em casa, diluindo no leite, na água gelada ou quente. Pode lembrar um café solúvel, mas além de ser líquido, não contêm químicas, é extraído também de grãos orgânicos”, explica.

A bebida é elaborada sempre a partir de um garimpo de grãos 100% arábica selecionados cuidadosamente pelo Barista, responsável também pela torra. “O objetivo é o que já ocorre nas cafeterias de café especial, chegar às principais características do resultado final por meio de variedades específicas da planta e também o ponto da torra, mais clara, média ou mais escura. É um processo muito artesanal.” Nesta primeira edição, os consumidores contam com o Cold Brew elaborado com grãos de Serra Negra (SP).

Vinho faz bem aos rins

Vinho serve para uma porção de coisas: prolonga a juventudedeixa o casamento (e a vidamais feliz. Mas isso tudo a gente já tinha contado por aqui. Agora a ciência veio com outra novidade:vinho faz bem aos rins.

É o que garante um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Colorado-Denver. Eles analisaram a saúde de quase 6 mil indivíduos e o consumo de vinho de cada um. Pouco mais de 1 mil dos participantes tinham uma doença crônica nos rins.

E eles concluíram que o consumo moderado de vinho mantem os rins saudáveis e protege o coração. Segundo a pesquisa, entre as pessoas que tomam pelo menos uma taça por dia, aprevalência de doenças crônicas nos rins era 37% menor do que entre os que não tomam nada da bebida. Os fãs de vinho também diminuíam em 29% os riscos de ter problemas cardíacos.

Mas antes de você sair por aí bebendo todo o vinho do mundo não se esqueça: os benefícios só valem para o consumo MODERADO.

Fonte: Superinteressante

O Consumo de Vinhos no Brasil

O Brasil, ao contrário de muitos países europeus ou até mesmo sul-americanos, não possui o hábito de beber vinho.

Os motivos são vários: falta de conhecimento, “elitização” da bebida (ou seja, o vinho normalmente é associado a classes altas e todos pensam que possui valores inacessíveis, o que não é verdade) e, por último, a falta de produtos nacionais com qualidade mais elaborada (mesmo apesar de existirem boas opções brasileiras).

A tendência, no entanto, é que essa situação comece a mudar. Os vinhos brasileiros são feitos basicamente de uvas de espécies americanas, com sabor muito marcante e – principalmente – frutado. Esse é um sabor que afasta quem experimenta a bebida pela primeira vez, fazendo com que não voltem a degustá-la. No entanto, muitos produtores brasileiros estão investindo em outras espécies de uva, muitas vezes com sabor não tão acentuado e mais agradável ao paladar.

Apenas para ter ideia de como o mercado é novo no país, as produtoras nacionais de vinho possuem em média de 30 a 40 anos de existência. Quase toda produção está concentrada no Rio Grande do Sul. Estima-se que, de cada 10 vinhos brasileiros, nove deles foram feitos nesse estado.

Esse é outro indício de que há possibilidade de expansão para o mercado. Outros estados estão investindo em vinícolas, o que aumentará a oferta e contribuirá para diminuir o preço. Com uma carta de vinhos nacionais maior e mais acessível, o brasileiro poderá ingressar no mundo da enologia.

Por fim, alguns dados para comprovar o que explicamos acima. No início da década de 1990, eram produzidos no Brasil mais de treze milhões de litros de vinho. Dez anos depois, esse volume saltou para mais de cinquenta milhões, ou seja, um aumento superior a 300%.

A dificuldade, no entanto, não é apenas inserir o vinho na lista de bebidas, criando o hábito de consumo. O problema maior é concorrer com outra bebida alcoólica, muito tradicional no país, a cerveja. Um brasileiro médio consome 50 litros de cerveja, contra apenas um litro e meio de vinho. Este é um dado que demonstra uma grande diferença, mas que também revela que o mercado está aberto para uma expansão dos vinhos, que se concretizará, possivelmente, dentro de dois a seis anos.

Convite: Degustação Single Malt Glenfiddich

Há 125 anos, Glenfiddich é a única destilaria dos highlands escoceses a utilizar uma única fonte de água em todo o processo de elaboração de seu precioso single malt whisky.

O Empório Mercantil tem o prazer em convidá-lo para a degustação de Glenfiddich, o single malt mais premiado do mundo.

Sexta-feira, dia 9 de Maio das 18h às 21h.

Nesta degustação, teremos a presença de Christiano Protti, Embaixador Glenfiddich no Brasil!

Não há custo para a participação.